Momento Espírita
Curitiba, 25 de Novembro de 2017
busca   
no título  |  no texto   
ícone O pássaro que desbota quando preso

 Temos  em  nossa  fauna  um  pássaro especial. É o Tiê-sangue.

É avistado próximo às restingas, capoeiras e beiras de mata do litoral do Brasil.

Suas asas são vermelhas como o sangue. Por isso ganhou esse nome. Possui a cauda negra e uma linda mancha branca no bico.

As lindas cores do Tiê-sangue atraem os criadores, mas é impossível apreciar sua beleza em cativeiro, visto que ele fica com uma cor pálida, alaranjada, desbotada.

Pois, entre a variedade dos frutos de que o passarinho se alimenta, há alguns que contém um pigmento de nome astaxantina, que mantém sua coloração.

A beleza do Tiê está na proporção de sua liberdade. Quanto mais livre, mais belo.

Nesse aspecto, o ser humano se parece muito com o Tiê. Precisa estar livre para ser belo, para ser feliz.

Precisa alçar voos com o pensamento, nutrir-se de ideias e sentimentos, inter-relacionar-se com os outros e com o Cosmo.

Necessita conhecer as verdades do Universo, bem como as que estão em sua intimidade espiritual.

O jovem, em especial, que tem tanta sede de liberdade, muitas vezes se deixa aprisionar pelos vícios de variada ordem, enfraquecendo e tornando-se pálida sombra que caminha a passos largos para a derrota.

Jovens que deveriam mostrar suas cores e virtudes individuais, deixam-se levar pela falsa necessidade de se confundir com o grupo, caindo no cativeiro infeliz forjado pelas mídias e pela opinião dos outros.

Quem se deixa conduzir pelos modismos, pelas ideias medíocres que tentam fazer do jovem um ser sem vontade própria, é como um pássaro que empalidece, desbota, muda de cor, perde o brilho.

Mas os efeitos desse tipo de cativeiro não estão apenas na aparência externa. O prisioneiro dos vícios perde a alegria de viver, perde a saúde, perde a esperança.

E o jovem, tal qual o Tiê-sangue, precisa voar alto, mas com a mente arejada pelas ideias saudáveis da confiança no Criador do Universo, nas Leis soberanas que regem a vida.

Jesus afirmou:  Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.

Na Verdade Divina reside a plena libertação. E como sabemos que as Leis Divinas estão em nós, esculpidas em nossa consciência, podemos, em esforço próprio, começar a buscar a compreensão delas nos autoanalisando, nos autoconhecendo.

Compreendendo os desígnios Divinos, que nos convidam à melhor ação, saberemos como interagir com a realidade que nos rodeia.

Confrontando nosso cotidiano com as leis da vida transformaremos nosso modo de ser e de agir, influenciando, positivamente, o meio em que vivemos.

*   *   *

Jovem, conhece-te a ti mesmo e voa no rumo da tua própria liberdade.

Voa sem peias, alimentando-te de nobres sentimentos, de experiências saudáveis, de práticas caridosas, a fim de manter tua cor bela e atrativa, não te deixando aprisionar pela ignorância, que te faria empalidecer ou desbotar.

Sê como o Tiê-sangue, livre e belo, nas andanças das múltiplas existências.

Mas não esqueças da responsabilidade necessária para que, verdadeiramente, se instaure a liberdade em tua vida.

E lembra-te sempre de que a tua beleza está na proporção da tua real liberdade.

Quanto mais livre, mais belo.

Redação do Momento Espírita, com base no
cap. 14 do livro Cartas ao jovem espírita, de Cristian
Macedo.
Em 19.09.2011.
© Copyright - Momento Espírita - 2017 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998