Momento Espírita
Curitiba, 05 de Agosto de 2021
busca   
no título  |  no texto   
ícone Uma lembrança perfumada

Quem conta a história é uma jovem que, no intuito de auxiliar a sogra, foi até a página de uma determinada marca de cosméticos e escreveu:

Fui à casa de minha sogra com uma missão que partiu meu coração: levar os pertences de meu cunhado, morto no dia 4 de março, levado pela COVID.

Cheguei em sua casa amarela, florida, cheirosa e vi dona Wanda muito triste.

Ela chorava, enquanto segurava um vidro, que tinha um mínimo de perfume no seu interior. Eu sabia que a partida do filho destroçara aquele coração de mãe.

Dona Wanda disse que aquele frasco de perfume era seu maior tesouro. E confessou: "Esse perfume era o favorito de Alexandre. Eu só o usava quando ele vinha me visitar porque ele dizia que esse perfume tinha cheiro de mãe."

O intuito da nora era comprar um ou mais vidros do tal perfume: Anette. No entanto, descobriu que ele não era mais fabricado, motivo pelo qual se dispôs a escrever para a empresa, perguntando se não poderia, quem sabe, fazer uma edição limitada.

O que recebeu como resposta, endereçada para a sua sogra foi inusitada. Uma carta escrita de próprio punho do fundador da empresa.

Em síntese, dizia ter tomado conhecimento do significado do perfume para ela.

Informava que, com o apoio da equipe, seriam fabricadas algumas unidades especialmente para o seu coração de mãe.

Finalmente, falava da importância do perfume para si mesmo. Ele fora criado por ocasião do nascimento da sua primeira filha, Annete.

*   *   *

Um perfume conectando duas vidas. Um celebra a vida que vem para a Terra.

A outra recorda quem partiu para a vida espiritual. Para cada um, no entanto, o mesmo significado: amor.

Amor de pai, amor de mãe.

Louve-se o empresário que entendeu o coração materno, esfacelado pela ausência do filho e providencia algo que possa amenizar a dor da sua saudade.

Ou eternizar uma perfumada lembrança.

Isso se chama empatia. Sentir a emoção do outro, o sentimento que lhe vai na alma e não discutir se é bom ou ruim.

Simplesmente reconfortar um coração de mãe que poderá utilizar o perfume, muitas vezes, para lembrar as doces carícias do filho.

Afinal, cada qual tem sua própria forma de lembrar, de recordar.

*   *   *

Possivelmente, os que temos a certeza da vida após a vida, estejamos a pensar que não precisamos de perfume ou coisa alguma para lembrar a quem amamos e se foi.

No entanto, nesses tempos de tanta dor, quando a pandemia ceifa vidas, sem piedade, deixando mães e esposas em luto, filhos órfãos, o que importa é a compaixão.

Compaixão para quem sofre a ausência, para quem tem dificuldades para se adaptar à nova realidade.

Por isso, lembremos de orar por essas criaturas, enviemos a elas o frescor das rosas e dos lírios da nossa oração, desejando que se sintam envolvidas pelas benesses espirituais.

Vibremos pela paz, pela serenidade desses que sofrem o decepar das suas esperanças de ter o filho querido nos braços, ou o esposo, o irmão, alguém amado.

Para todos os corações sofridos, desejemos que o Celeste Jardineiro os envolva no doce perfume da sua paz, amenizando-lhes as dores das ausências físicas.

Oremos.

Redação do Momento Espírita, com base
em dados da revistaglamour.globo.com.
Em 16.7.2021.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2021 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998