Momento Espírita
Curitiba, 19 de Fevereiro de 2018
busca   
no título  |  no texto   
ícone Convite à tranquilidade

Você sabia que produzimos melhor quando fazemos tudo com equilíbrio?

Sabia que podemos ajudar mais quando conseguimos cooperar com tranquilidade?

As ações pacientes e constantes têm maior eficiência, isto é, conseguem alcançar melhor seus objetivos.

Por essa razão, a tranquilidade, em todos os momentos da vida, é de salutar necessidade.

Vivemos sob condicionamentos decorrentes da violência que se espalha por toda parte. Somos convidados a decisões e atitudes imediatas.

A inquietação e a ansiedade tomaram conta de todos e, sem percebermos, nos acostumamos com elas.

Assim, raramente agimos impulsionados pela tranquilidade que reflexiona e inspira diretrizes de segurança.

O impacto resultante da alta carga de informação de variada ordem que nos assalta, através dos veículos de comunicação, nos leva a reagir.

Reação que nos conduz a precipitadas resoluções de consequências poucas vezes felizes.

Castigados por necessidades imediatas, no imenso campo das competições, à revelia da vontade, exasperamo-nos por ninharias, intoxicando-nos, em regime de demorado curso, até a exaustão ou desequilíbrio total, na rampa da alucinação.

Quase sempre nos manifestamos dizendo que manter a tranquilidade ante a injustiça, face às surpresas desagradáveis que nos assaltam, sob condições inesperadas é de todo impossível.

Não é verdade, porém.

É fundamental facultar condições para que se desenvolvam as expressões da paciência no coração e na mente, em perene tranquilidade.

Para isso, devemos confiar em Deus plenamente, entregando-lhe a vida e deixando-nos por Ele conduzir.

Nessa entrega estão dois pontos cruciais:

Primeiro, estar consciente de que todo mal aparente resulta num bem real.

Segundo, que toda aflição proporciona resgate de dívida passada.

Com a certeza desses dois pontos, nenhuma conjuntura infeliz conseguirá alterar o ritmo da nossa tranquilidade interior.

Mesmo quando experimentando sofrimento, tal estado não nos conduzirá à rebeldia, à desesperação, à deserção.

O estudo das leis da causalidade, a que se refere a doutrina espírita, a pouco e pouco esclarece o entendimento humano, consolidando convicções em torno da Divina Justiça, que estabelece as linhas do destino e da vida de modo a felicitar o Espírito na jornada evolutiva.

O exercício da vontade bem dirigida, mediante pequenos esforços, constantes disciplinas, necessárias continências; a meditação como norma de elevação dos pensamentos e cultivo das ideias superiores; a oração que faculta o estabelecimento da ponte entre a criatura e seu Criador, são todos métodos excelentes para a aquisição da tranquilidade.

Dessa forma, em qualquer situação, mantenhamos a tranquilidade e não nos desesperemos.

Muitas vezes parece que o auxílio Divino chegará tarde demais.

No entanto, fazendo revisão dos acontecimentos, verificaremos que o socorro celeste sempre chega dez minutos antes da hora grave, resolvendo o problema.

Perseveremos, pois, em tranquilidade sempre.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. 58, do
livro
Convites da vida, pelo Espírito Joanna de Ângelis,
psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. LEAL.
Em 9.2.2018.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2018 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998