Momento Espírita
Curitiba, 17 de Outubro de 2017
busca   
no título  |  no texto   
ícone Ainda haverá Deus

Haverá dias nos quais sentiremos a alma vazia, como um deserto sem vida, sem sinal de renascimento, nada, enfim, que nos indique possibilidades, roubando-nos a esperança.

Ainda assim, haverá Deus.

Haverá dias nos quais nos sentiremos como se um vento gelado tivesse varrido tudo, deixando apenas o nada, congelando-nos o otimismo e a alegria.

Mesmo assim, ainda haverá Deus.

Haverá dias nos quais acordaremos em luto, em tristeza profunda, trazendo na alma os acúmulos das perdas e das dores do caminho percorrido, fazendo-nos temer o próximo passo, a continuidade da caminhada.

Apesar disso, ainda haverá Deus.

Haverá dias nos quais a solidão parecerá ser a única companhia em nossa jornada, como se nada ou ninguém existisse para compartilhar conosco as dificuldades que enfrentamos.

Muito embora não pareça, ainda haverá Deus.

Sempre haverá dias difíceis nos caminhos de todos nós.

Enfrentar-se e enfrentar o mundo não são tarefas de pouca significância, ou de fácil condução.

Haverá momentos em que nos assaltará a certeza de que vamos desfalecer perante as imensas montanhas que se erguem à frente.

Algumas delas estão em nosso mundo íntimo, esperando nossas ações.

Outras, se apresentam nas estradas que percorremos, convidando-nos às lutas necessárias.

É natural que assim seja. Como nos lembra Jesus, no mundo teremos aflições.

São as aflições que nascem de nossa fé ainda frágil, de nosso entendimento limitado do mundo, de virtudes apenas desabrochando.

Assim, não desanimemos, mesmo em dias tumultuosos.

As aflições serão amenizadas, o aprendizado será construído, as dificuldades serão superadas.

Deus não nos coloca no mundo para sofrermos castigos ou para sermos penalizados.

Nem espera que nos infelicitemos com os problemas que nos cheguem.

Sua amorosidade nos alcança, das mais variadas maneiras e de forma constante.

Por ser justo, permite que enfrentemos as dores necessárias somente quando detenhamos a capacidade e a condição de superá-las.

Dessa forma, quando esses dias nos surgirem, quando o desânimo invadir nossa alma, querendo se alojar de forma permanente, lembremo-nos de Deus.

Recordemos que ele é Pai e, como tal, a Sua doação é sempre a favor dos Seus filhos.

Apesar de tudo e além de tudo, sempre haverá Deus a nos amparar, a nos conduzir e a nos guiar.

Ninguém está ou estará ao abandono da Providência Divina.

Deus vela por nós, zelando por nossos passos a fim de que sigamos para dias mais felizes.

Se Jesus nos alerta que no mundo teremos aflições, igualmente nos convida a termos bom ânimo, a seguirmos Seu exemplo, como Modelo e Guia, pois Ele venceu o mundo.

Portanto, nos dias difíceis, lembremo-nos de Deus. Busquemos Sua companhia e Seu amparo. Oremos.

Será no regaço Divino que conseguiremos as forças para melhor enfrentar as aflições do mundo porque, por maiores e mais pungentes sejam nossas dificuldades, dores, dúvidas e angústias, sempre haverá Deus nos sustentando e guiando nossos passos.

Redação do Momento Espírita.
Em 6.10.2017.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2017 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998