Momento Espírita
Curitiba, 17 de Novembro de 2018
busca   
no título  |  no texto   
ícone Homens de sabedoria

No primeiro livro bíblico de Reis, se encontra a narrativa de que Salomão sucedeu a seu pai Davi, no trono de Israel.

Como ainda não havia sido construído o templo em Jerusalém, Salomão oferecia sacrifícios e queimava incenso nos lugares altos, o que o fez ir a Gabaon, localidade situada a cerca de onze quilômetros a noroeste de Jerusalém.

Ali Moisés construíra o tabernáculo sagrado ou tenda de reunião e, por isso era venerado, pelo povo de Israel, como o lugar alto mais importante.

E foi nesse local, depois de ter orado muito ao Deus de Israel, que Salomão teve um sonho, em que lhe apareceu Yaweh e lhe disse: Pede-me o que queres que eu te darei.

A nota é interessante pois nos diz que para conseguirmos o contato com os Espíritos de qualidade superior, necessitamos da oração que eleva a mente e o coração.

A resposta do rei foi nos seguintes termos: Tu mostraste grande benevolência para com teu servo Davi, meu Pai. Tu lhe deste um filho para se sentar no seu trono.

Mas eu não passo de um adolescente, que não sabe ainda como governar. Este servo está no meio do Teu povo, tão numeroso que não se pode contar ou calcular. Dá-me, pois, um coração obediente, capaz de governar Teu povo e de discernir entre o bem e o mal. Do contrário, como poderei governar este Teu povo tão numeroso?

Prossegue a narrativa no sentido de que o pedido de Salomão, que demonstrava a preocupação do governante com os que eram a sua grave responsabilidade, teve como resposta do Senhor:

Desde que pediste estes dons e não pediste para ti longos anos de vida, nem riquezas, mas sim sabedoria para praticar a justiça, vou satisfazer o teu pedido.

Dou-te um coração sábio e inteligente. E dou-te também o que não pediste: as riquezas e a glória, de tal modo que não haverá teu igual entre os reis durante toda a tua vida.

Verdadeiramente, Salomão passou para a História como um rei de sabedoria e prudência extraordinárias. Seu coração é descrito como magnânimo como a areia das praias do mar e sua sabedoria como superior a de todos os homens.

*   *   *

Sabedoria é algo que todo homem apreciaria possuir. É um certo conjunto de inteligência e paciência, ou seja,  sábio é aquele que tem paciência diante das situações e inteligência para agir.

É aquele que decide corretamente, sempre respeitando a moral, a ética e os costumes.

Agir com sabedoria pode ser sinônimo de fazer o certo na hora certa; respeitar o pensamento alheio; ser gentil para com as pessoas; ser humilde; tratar o outro como gostaria de ser tratado; enxergar o seu entorno e, das situações mais adversas, extrair as melhores lições.

Nos dias atuais, se faz de importância perseguir a sabedoria, essa capacidade que faculta o juízo reto sobre os homens e as coisas.

Homens de sabedoria são bondosos e benevolentes para com os seus semelhantes. Não são movidos pelo orgulho, nem pelo egoísmo ou ambição. E fazem o bem pelo bem.

Persigamos essa virtude.

Redação do Momento Espírita.
Em 4.9.2014.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2018 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998