Momento Espírita
Curitiba, 17 de Outubro de 2017
busca   
no título  |  no texto   
ícone Pirogenia

Certa feita, a televisão mostrou, em reconstituição de imagens, a tragédia de uma família, às voltas com estranhos fenômenos.

Combustão espontânea, foi o que denominaram.

Fenômeno que acontece nas mais diversas horas do dia. Sem explicação aparente, incendeia-se o colchão, o armário, o teto, roupas no varal.

Vizinhos se mostram incrédulos e comentam que é fraude.

Se é fraude, é de questionarmos por que uma família pobre, sem recursos, colocaria fogo no pouco que possui e lhe irá fazer falta?

Fraude só tem lugar onde há vantagens. No caso em pauta só há desvantagens.

Ademais, como explicar a intranqüilidade, o desassossego, as noites mal dormidas, dado o temor que logo irrompa o fogo em algum canto da casa?

O fenômeno não é novo.

No Antigo Testamento encontramos exemplos dele. Quando o legislador hebreu Moisés cuidava do rebanho do sogro, no campo, foi surpreendido pela visão à distância de um grande clarão. Curioso, foi verificar do que se tratava. O clarão vinha de um pequeno arbusto que queimava: a sarça ardente.

Do meio das chamas, uma voz se faz ouvir. É o Espírito protetor da nação israelita, Jeová, que lhe recorda da missão de libertador do seu povo.

Mais adiante, no Sinai, quando Moisés ora para ouvir as orientações espirituais, um raio corta os céus e escreve nas pedras os Dez Mandamentos, o Decálogo.

Dois fenômenos que a Bíblia dá notícias e testifica. Espíritos do bem se servem do fenômeno mediúnico de efeitos físicos, a pirogenia, para chamar a atenção e atender o seu objetivo.

Em outros casos, são Espíritos brincalhões ou vingativos que, provocando tais efeitos, se divertem com o apuro pelo qual passam as suas vítimas.

Sempre existe um médium no local ou nas proximidades. É ele que fornece a energia, o fluido para que o Espírito, associando o seu próprio fluido, consiga realizar o que pretende. No caso, o fogo.

Conhecida a causa, fácil se torna extinguir o efeito.

Oração, vivência nobre, não temer - eis o início da libertação.

Espíritos assim infelizes, que se detêm no mal, nas tolas brincadeiras necessitam também de esclarecimento.

Precisam compreender a grande tolice que cometem. Porque quem faz mal ao outro, a si mesmo prejudica.

Nada de sobrenatural, nem de espetacular. Basta que se estude os fatos e se aplique os recursos devidos.

 

Curiosidades

 

Em junho de 1981, na Itália, o jovem André Albertini saiu de férias. Nunca mais voltou para casa.

Meses depois, alguns fenômenos curiosos começaram a acontecer. O jornal que o pai lia apareceu com uma grande mancha vermelha. Tinha a cor e aparência de sangue fresco.

Era o Espírito do filho, que fora assassinado, e principiava suas tentativas de comunicação com o pai.

Redação do Momento Espírita.
Em 19.11.2012.

© Copyright - Momento Espírita - 2017 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998