Momento Espírita
Curitiba, 21 de Outubro de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone A educação sempre em pauta
 

No amplo teatro, alugado especialmente para o encontro, se reuniam autoridades de todo o Estado. Discutia-se a questão de verbas para as tantas necessidades das diversas comunidades.

Horas foram planejadas para se apresentarem as necessidades, as estratégias de redução de gastos, a mais correta divisão dos recursos a fim de que todas as áreas fossem bem atendidas.

Planejava-se ali o atendimento à criança, ao jovem, ao idoso, à gestante, ao carente. Nenhum detalhe estava sendo esquecido.

As autoridades se revezavam ao microfone, falando de metas a serem alcançadas, de intenso trabalho a ser realizado.

Enfim, fez-se uma pausa para um pequeno descanso.

Todos demandaram o amplo salão onde várias mesas apresentavam o lanche com pães, doces, salgados, refrigerantes, café, água.

Entre um e outro salgadinho, os colegas aproveitavam para trocar ideias, para cumprimentar aqueles que já haviam discursado.

Retornando ao teatro para a continuidade dos trabalhos, um dos participantes levou um copo com refrigerante. Quase ao transpor a porta, a senhora encarregada da recepção pediu licença e lhe lembrou, conforme avisos afixados em vários lugares, que ele não poderia adentrar o teatro com o refrigerante.

O homem, até então muito educado, olhou-a de cima e falou alto:

A senhora sabe com quem está falando?

A senhora de pronto respondeu:

Não, senhor.                 

Ao que ele explicou:

Pois saiba a senhora que eu sou Fulano de tal. - E foi dizendo o cargo que ocupava no Estado.

Ela, ainda e sempre educada, prosseguiu:

Muito prazer em conhecê-lo, senhor. Mas devo continuar lhe dizendo para não entrar nas dependências do teatro com o refrigerante.

Mais do que ninguém, o senhor, como autoridade de um município do nosso Estado, sabe o quanto custa o patrimônio público e quanto custa mantê-lo.

O senhor é encarregado de zelar pelo dinheiro do povo e dar ao povo o melhor. O senhor, em sua cidade, zela pelas praças, pelos jardins, pelo teatro, a biblioteca pública, o museu, as escolas.

Mais do que ninguém o senhor sabe que o dinheiro público não pode ser desperdiçado. O refrigerante que o senhor deseja levar para o teatro pode derramar e manchar a poltrona ou o tapete. E haverá necessidade de se gastar para a substituição de uma ou de outro.

O homem olhou para a mulher, deu meia volta, depositou o copo de refrigerante sobre uma mesa próxima, voltou para a entrada do teatro e disse:

A senhora tem toda a razão. Obrigado pela lição.

E retornou para os trabalhos com seus colegas.

*   *   *

A verdadeira humildade está em reconhecer os próprios erros, não importando o cargo ou a função que se ocupa.

E todos podemos ser educadores, onde quer que estejamos. Podemos dar o exemplo, fazendo. Podemos falar, demonstrando o que é correto realizar.

Sempre que falemos com educação e demonstremos bom senso no que pedirmos, com certeza, seremos ouvidos e atendidos.

É que nem sempre estamos dispostos a realizar este trabalho e preferimos deixar passar. Com isso, estamos perdendo uma oportunidade sem par de melhorar o mundo em que nos encontramos.

 

Redação do Momento Espírita.
Em 29.02.2012.

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998