Momento Espírita
Curitiba, 27 de Maio de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone Compromisso assumido

Todos conhecemos aquelas palavras ditas e recitadas quando a paixão nos envolve: Para sempre. Até que a morte nos separe.

E acrescentamos: De qualquer forma: na pobreza, na riqueza, na saúde, na doença, na felicidade, na adversidade.

É comum, no entanto, que, passados os arroubos da juventude, o fogo da paixão, o panorama se modifique.

Pequenas contrariedades que vão se somando, expectativas não atendidas, diferenças de comportamento, desencanto, tudo é motivo para o consórcio matrimonial apresentar problemas.

E não são poucos os que optam pela separação, quando as dificuldades se apresentam mais intensas. Quando falta o dinheiro, quando a saúde deteriora, quando...

Por isso, a história de Adílio e Gláucia chama a atenção.

Casal na faixa dos cinquenta e cinco anos, casados há mais de vinte e cinco, residem em Boa Vista, Roraima.

Gláucia sofreu um Acidente Vascular Cerebral, há doze anos e está em estado vegetativo.

Quando seu estado de saúde ficou estável, ela foi transferida para casa e, desde então, é o marido quem cuida do que ela precisa.

Ele lhe prepara o alimento, se responsabiliza por sua higiene, hidrata-lhe a pele, cuida de seus cabelos. Tudo com extremo carinho.

Não é fácil dispensar todos os cuidados necessários à situação dela. - Confessa ele.

Afirma Adílio que está cumprindo as juras que fez, ao se casar.

Fizemos votos de cuidarmos um do outro e de ser uma só carne. E sei que ela faria o mesmo por mim, finaliza.

*   *   *

A capacidade de sentir grandes afeições é em si mesma um imenso tesouro, mesmo que o objeto de nosso carinho seja alguém sem condições de nos retribuir o que recebe.

Votos, compromissos, juramentos, são formas variadas de expressar uma mesma coisa, uma maneira de se vincular ou assumir responsabilidades para com alguém.

Responsabilidade essa, assumida em virtude de uma afirmação escrita ou verbal.

A palavra compromisso deriva de promessa ou com promessa.

Logo, compromissos expressos formal ou informalmente, geram direitos e obrigações para as partes envolvidas.

Sabemos, no entanto, que compromissos podem ser rompidos, a qualquer momento.

Somente quando existe o amor verdadeiro é que os compromissos são respeitados, na íntegra.

E nunca considerados um peso, algo que realizamos somente porque nos encontramos presos ao prometido, em algum momento.

E o amor de que falamos é pleno de paciência, de cuidados, de renúncia.

A preocupação maior é o bem-estar do outro, é dar-se, sem pensar em receber retorno.

É esse sentimento de perfeita conexão entre as almas. Algo que pode até começar pequeno mas que se engrandece a cada dia.

Vai muito além de afagos e carícias. Expressa-se em gestos de sustentação, de amparo, de conforto.

Pode se refletir em palavras como Eu te amo!

Mas, principalmente, se traduzir nos cuidados constantes a quem se tornou totalmente dependente, e que sente, em cada toque, em cada cuidado, a alma se extravasar, dizendo: Eu estou aqui. Não tenhas medo. Estou contigo.

Redação do Momento Espírita, com base em fato da
vida do casal Maria Gláucia e Adílio Bezerra.
Em 23.5.2020.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998