Momento Espírita
Curitiba, 12 de Novembro de 2019
busca   
no título  |  no texto   
ícone Ante as dores humanas

O Evangelista Mateus narra que Jesus, após vir para a casa de Pedro, viu a sogra dele deitada e febril. Tocou a mão dela, e a febre a deixou.

Reconhecida, ela se ergueu do leito e passou a servi-lO.

Essa é uma das curas mais simples realizadas pelo Mestre de Nazaré.

Ele devolveu a visão a cegos, a palavra a mudos, a audição a surdos, a lucidez a obsediados, movimentos a membros paralisados.

Seu inesgotável amor a todos alcançava. Sempre atento, descobria mesmo as chagas da alma, ocultas na intimidade da criatura.

Ao livrar a sogra de Pedro de um quadro febril, Jesus nos fornece uma grandiosa lição: a de que nenhuma dor deve ser desprezada.

Toda dor deve nos merecer consideração, compaixão e solidariedade.

De um modo geral, temos a tendência de julgar e medir a dor alheia.

No cotidiano, encontramos pessoas portadoras dos sofrimentos mais variados. Alguns muito graves, que nos levam, de imediato, a nos compadecermos.

Mas, quando alguém fala de uma febre, uma dor de cabeça, um mal-estar, algum problema que achamos de simples solução, costumamos não dar muita atenção.

Chegamos, por vezes, a pensar: Pessoa exagerada. Está fazendo tempestade em copo d’água.

Precisamos ter em conta que cada um de nós é um Espírito imortal, com uma história, em que se misturam conquistas e dificuldades íntimas.

Devemos compreender, portanto, que cada pessoa tem um grau de resistência para as dores físicas e morais.

Alguns enfrentam a perda dos seres amados, enquanto outros entram em um quadro depressivo profundo.

Alguns lidam de forma equilibrada com a doença, mesmo grave. Outros se perturbam com a menor indisposição.

Alguns crescem com os desafios familiares, outros falham de forma desastrosa, não conseguindo encontrar saída para o problema.

Isso nos leva à conclusão de que devemos sempre ouvir as queixas alheias, com os ouvidos da solidariedade, com o desejo de ajudar.

O nosso poderá ser o ombro amigo, em que o outro despeje sua frustração, sua tristeza. A nossa poderá ser a voz do bom aconselhamento. Os nossos ouvidos poderão ser os da paciência e atenção.

E não nos permitamos o julgamento. Pode acontecer que não encontremos em nós uma referência para a dor narrada pelo próximo, porque nunca a vivenciamos.

Ouçamos sempre. Auxiliemos da forma que nos for possível.

Às vezes, bastará que ofereçamos nosso tempo para escutar os desabafos de um coração que sofre e não sabe a quem confessar as próprias dores.

De toda forma, sempre poderemos oferecer o conforto da oração, a vibração amiga, o desejo de que tudo se possa resolver em breve tempo.

Mesmo que estejamos passando por algo que nos aflija, nunca desconsideremos a possibilidade de auxiliar ao outro.

A vivência do amor nos fortalece para as lutas pessoais e, é comum que em nos preocupando com o sofrimento alheio, nos apercebamos de que o nosso já passou.

E, até entendamos que, se comparado aos grandes sofrimentos da vida, nem é tão expressivo.

O amor é lei da vida. Sejamos servidores do amor em prol das dores dos irmãos de caminhada.

Pensemos a respeito.

Redação do Momento Espírita, com base no artigo As dores humanas,
de Alessandro Viana Vieira de Paula, publicado no
Jornal Mundo Espírita,
outubro 2019, ed. FEP e no Evangelho  de Mateus, cap. 8, vers. 14 e 15.
Em 11.10.2019.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2019 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998