Momento Espírita
Curitiba, 14 de Outubro de 2019
busca   
no título  |  no texto   
ícone O tempo do Cristo

Para os que vivemos na Terra, nestes tempos de transição planetária, muitos têm sido os temores, os amedrontamentos a nos cercar.

Olhando o panorama terrestre, verificamos que existem dois tempos: o tempo do mundo e o tempo do Cristo.

No tempo do mundo temos as notícias das pessoas capazes de promover a maldade, a miséria moral, a agressão.

Ao mesmo tempo, registramos a existência de lidadores do bem que trabalham no sentido de amparar, orientar e instruir para a felicidade.

Podemos considerá-los gerentes das oficinas do amor que o Criador instalou nos mais variados pontos do planeta.

Esses vivem o tempo do Cristo.

Também observaremos uma leva grande de pessoas que alardeiam o pessimismo, a descrença, a autodesvalorização e a autodestruição. Tudo está ruim: o governo, a escola, a diplomacia entre os países, as pessoas.

No entanto, veremos igualmente muitas pessoas que fomentam o bom senso, o respeito à vida, proclamando as ideias de que o homem é o construtor de sua jornada feliz ou infeliz. Ele é o promotor dos quadros do mundo.

Encontraremos cientistas arquitetando armas perfeitas e processos de destruição, bombas e mísseis inteligentes, comandados por computadores impecáveis.

Mas, os que se encontram vivendo o tempo do Cristo estão envolvidos em desenvolver técnicas de salvação para os seus irmãos. São os que elaboram vacinas abençoadas; os que criam instrumentos para inspecionar o organismo humano, detectando enfermidades, a fim de que possam ser tratadas com urgência.

Outros estão imersos em pesquisas laboratoriais para a descoberta de medicamentos de cura de doenças ou o amenizar das dores dos enfermos.

Os que vivem no tempo do mundo, gritam a favor de práticas abortivas, no intuito de destruir a vida, antes que floresça. Alguns o fazem por questões meramente político-econômicas, outros em nome de questões médico-sociológicas.

Contudo, almas iluminadas estendem sua ação, oferecendo apoio, abrigo às mulheres que foram abandonadas em plena gestação. Em nome do amor, inspiram as futuras mães a pensar na semente de vida que lhes pulsa no ventre.

E sugerem opções variadas para que ninguém precise manchar com sangue as próprias mãos. Como a adoção, por exemplo.

Encontramos, no mundo, jovens que se envolvem no alcoolismo, considerado inocente, ou nas drogas de graves consequências.

Tudo em nome do desconhecimento e da rebeldia. E o que conseguem é a morte antecipada, em função do desgaste corporal.

Fenecem como flores que não chegaram a aguardar a temporada de dar frutos.

Identificamos, por outro lado, os jovens que valorizam o corpo. Que cuidam da alimentação, que se mantêm distantes de quaisquer excitantes.

Jovens que estudam, que desejam progredir, trabalhar, servir ao país e ao mundo.

Jovens que têm sonhos de grandeza moral. Jovens que fazem a diferença no mundo.

Esses são os dias que vivemos. Cabe-nos decidir se desejamos estar com os tempos do mundo ou com os tempos do Cristo.

Pensemos a respeito e abracemos o tempo do Cristo, para nossa própria felicidade.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. 9,
do livro
O tempo de Deus, pelo Espírito Camilo,
psicografia de Raul Teixeira, ed. FRÁTER.
Em 30.9.2019.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2019 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998