Momento Espírita
Curitiba, 19 de Setembro de 2019
busca   
no título  |  no texto   
ícone Nosso bebê nasceu

Um relato inspirador nos comoveu. É de um catarinense, casado há oito anos e que realizou o seu sonho de ser pai.

Em palavras brotadas do fundo d’alma, ele comunica que nasceu o seu bebê. Diz que ele tem um metro e quarenta e quatro centímetros de altura, pesa quarenta quilos e tem dez anos de idade.

E relata como foram recheados de ansiedade os meses de espera.

Em vez de um teste de farmácia ou laboratorial, diz ele, tivemos uma assistente social nos falando que existia a possibilidade de estarmos grávidos, minha esposa e eu.

Não fizemos nenhum ultrassom, mas toda semana tínhamos nossas visitas para ver o rostinho do nosso bebê.

Não experimentamos desejos estranhos nem enjoos terríveis, mas Deus sabe quão tristes eram os domingos à noite, quando precisávamos levá-lo de volta à casa-lar.

O acompanhamento da gestação não foi feito por enfermeiras e obstetras, mas por psicólogas e assistentes sociais.

As nossas dores de parto foram as angustiantes semanas de espera por decisões que envolviam muita papelada.

Não ouvimos seu coração bater através de uma máquina, mas o nosso se acelerava toda vez que uma porta se abria e ele vinha em nossa direção.

E eram maravilhosas cada uma das horas vividas com ele, nos passeios, nas refeições, nos folguedos compartilhados.

Finalmente, hoje nasceu o nosso filho.  Nosso obstetra foi um juiz, sentado atrás de uma mesa, que assinou um papel, determinando que nosso bebê nos fosse entregue.

A nós, seus pais, para amá-lo, educá-lo, torná-lo um homem de bem.

*   *   *

Pais e filhos, do ventre ou do coração, são almas que se reencontram pelas estradas da vida e que anseiam compartilhar seus dias, na intimidade do lar.

A adoção reflete sempre um grande ato de amor. Não se trata de levar para casa uma criança porque desejamos preencher algum vazio das nossas vidas.

Trata-se de uma decisão madura, consciente, de quem se descobre com amor para dar. E o deseja fazê-lo dessa forma: adotando um ser sem pais, sem lar, sem família.

Então, não importa seja um recém-nascido ou uma criança que já experienciou anos de solidão ou de amarguras.

Simplesmente nos credenciamos para amar. E aguardamos, enfrentando a eventual burocracia, as exigências que se fazem devidas, a fim de que o filho nos chegue ao lar.

Quando concebemos, aguardamos, normalmente, nove meses para ter o bebê nos braços.

Quando optamos por adotar, esse período, por vezes, pode ser dilatado.

O importante é a espera. É tudo preparar. É aguardar. E sonhar como será aquele que nos será entregue: branco, negro, oriental, de olhos azuis, castanhos?

Terá cabelo liso ou encaracolado?

Uma grande expectativa. Exatamente como quando concebemos e imaginamos como será o bebê, ao nascer.

Adoção é um ato sério, complexo, de coração e devoção.

Essa gestação tem que partir do sentimento verdadeiro, capaz de todo e qualquer sacrifício, pelo filho que, sempre, em última análise e decisão, nos é entregue por Deus.

Pensemos nisso.

Redação do Momento Espírita, com base em
https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/
nosso-bebe-nasceu-com-144m-40-quilos-e-10-
anos-diz-pai-em-post-que-viraliza-nas-redes
-sociais.ghtml

Em 31.8.2019.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2019 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998