Momento Espírita
Curitiba, 12 de Novembro de 2019
busca   
no título  |  no texto   
ícone Os talentos que possuímos

Nosso Pai Celestial na Sua bondade infinita nos confiou dons ricos de propriedades especiais para favorecer nossa evolução.

São talentos que podemos multiplicar com o bom uso, ou deixarmos de lado, sem usufruirmos suas qualidades e embelezarmos nossas vidas.

Quando temos boas intenções e disposição para fazê-los florir, nos tornamos mais felizes.

Se temos saúde mental, e nenhuma indisposição perturba essa fonte de bênçãos; se podemos pensar, agir, quer dizer que possuímos o talento da inteligência.

Esse talento nos permite que o apliquemos em prol da vida, do bem, das pessoas.

Se nascemos em uma família com facilidades financeiras e econômicas, temos a possibilidade de usar desses recursos para construir escolas, fábricas, hospitais.

Podemos possibilitar estudo, oferecer trabalho, proporcionar saúde.

Se não forem muito expressivas essas posses, ainda assim podemos colaborar na aquisição de materiais escolares para tantos que os necessitam.

Podemos matar a fome de famílias desamparadas, dar abrigo a quem necessite.

Se conseguimos conquistar cultura, teremos conosco uma usina de saber que poderá enriquecer outras mentes e corações com os quais podemos dividir esse manancial.

E que dizer da ampla possibilidade que Deus nos concede de nos tornarmos pais e mães, sermos cocriadores com Ele.

Se somos administradores, podemos direcionar muitos benefícios e enriquecer os que nos rodeiam.

Tanto os talentos que nos são dados, como os talentos que conquistamos, são tesouros raros que devem ser muito bem utilizados.

Jamais os devemos desperdiçar.

*   *   *

Talentos são tesouros materiais ou morais que podemos transformar em meios de propagação de progresso e de conhecimento espiritual.

Podemos multiplicar o saber e espalhar oportunidades.

Podemos nos servir dos talentos dos conhecimentos que conquistamos e dividir com quem tenha sede de saber.

Ou simplesmente acioná-los e melhorar o padrão de vida de outras pessoas, esclarecendo-as, tirando-as da ignorância em que se encontram.

Podemos tomar dos talentos dos sentimentos e promover o renascimento da esperança nos corações; fazer a alegria de crianças e de idosos com nossas presenças, com nossos afagos; podemos aquecer a alma que se deixou gelar de desesperança.

Podemos utilizar os talentos da nossa boa vontade para espalhar o sorriso amigo, o cumprimento afável, o abraço caloroso.

E nos servir da alegria para injetá-la na alma depressiva, no coração amargo, no parceiro triste.

Todos possuímos talentos. Visíveis ou ocultos, estão à espera de que os utilizemos. A decisão nos cabe. A escolha nos pertence.

Saibamos multiplicá-los, fazendo bom uso de todos eles, acionando-os a benefício de terceiros, multiplicando-os, exatamente como fez o administrador previdente, na parábola dos talentos, narrada por Jesus.

Finalmente, tenhamos em mente que a felicidade que espalharmos se fará a nossa felicidade!

Pensemos nisso.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. 20,
do livro
Vida e valores,  v. 1, de Raul Teixeira, ed. FEP.
Em 27.4.2019.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2019 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998