Momento Espírita
Curitiba, 12 de Dezembro de 2018
busca   
no título  |  no texto   
ícone Os perigos do materialismo

Quando ouvimos a palavra materialismo, por vezes desconhecemos o seu real significado e suas dimensões.

De modo geral, temos uma visão superficial do termo, que em verdade representa correntes filosóficas antigas com bases bem sedimentadas.

Ele está na via oposta ao idealismo, o espiritualismo e a metafísica, desde que afirma a prioridade da matéria sobre o Espírito. Até mesmo o pensamento seria uma manifestação interior da matéria.

Vale ressaltar que o materialismo se estende ao modo de viver em que o gozo das coisas materiais se apresenta como uma filosofia de vida, caracterizada pelo grande apego aos bens materiais.

Segundo essa filosofia, a vida se inicia no momento do nascimento e acaba com a morte do corpo.

As correntes espiritualistas, no lado oposto, apresentam a realidade do Espírito, isto é, demonstram que somos algo mais do que um aglomerado de matéria e que há uma inteligência, uma alma, um ser imponderável, no comando da máquina corpórea.

O Espiritismo, quando se apresenta como a ciência que trata da natureza, da origem e do destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal, deixa claro seu perfil espiritualista, devidamente embasado em métodos científicos de estudo.

Ao estudar essa essência inteligente que todos somos, a Doutrina Espírita abre um horizonte de consequências importantíssimas para a vida.

Suponhamos que um homem de vinte anos tenha a certeza de que vai morrer aos vinte e cinco, que fará ele nesses cinco anos que lhe restam?

Trabalhará para o futuro? Certamente que não. Ele tratará de desfrutar a vida o mais possível, considerando como um engano obrigar-se a fadigas e privações sem proveito.

Mas se ele tiver a certeza de viver até aos oitenta anos, agirá de forma totalmente diferente, porque compreenderá a necessidade de sacrificar alguns instantes do repouso atual para assegurar o repouso no futuro, durante longos anos.

O mesmo ocorre com aquele para quem a vida futura é uma certeza.

Quando existe dúvida quanto à existência da vida futura o indivíduo é conduzido, naturalmente, a tudo sacrificar aos prazeres do presente, daí dar importância excessiva aos bens materiais.

A cobiça, a inveja e o ciúme daquele que tem pouco contra o que tem muito, são estimulados pela importância atribuída aos bens materiais.

Da cobiça ao desejo de se conseguir, a qualquer preço, o que o vizinho possui não há mais que um passo, surgindo, então, os ódios, as discussões, os processos, as guerras e todos os males engendrados pelo egoísmo.

Com a dúvida sobre o futuro, o homem, abatido nesta vida pelo desgosto e pelo infortúnio, só vê o fim dos seus sofrimentos na morte, e, não esperando mais nada, acha racional abreviá-los pelo suicídio.

Vejamos aí um dos grandes perigos do materialismo, a falta de significado da existência, a vida vazia, sem propósito e sem perspectiva de futuro.

Somos Espíritos atuando sobre a matéria. A matéria nos serve, e não o contrário.

Pensemos a respeito e alicercemos nossos valores nessas certezas maiores. Isso nos dará sentido à existência, isso nos apontará a felicidade.


Redação do Momento Espírita, com base no cap. II, item 100,
do livro
O que é o Espiritismo, de Allan Kardec, ed. FEB.
Em 29.11.2018.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2018 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998