Momento Espírita
Curitiba, 15 de Novembro de 2018
busca   
no título  |  no texto   
ícone Brasil dos meus sonhos

Brasil, minha terra, como te desejo grande, no concerto das nações.

Como te desejo, pátria amada, ver-te alçada entre as demais, levantando bem alto o estandarte da Ordem e do Progresso. Em síntese, da paz.

Da paz verdadeira, que fala de justiça social, de fraternidade, de um povo amigo.

Como te desejo grande, Brasil amado, vivendo sob um céu de estrelas, astros que ostentas em tua própria bandeira.

Brasil da minha vida.

És tão pródigo em belezas naturais. Tão rico o teu solo que alguém já o definiu como aquele em que se plantando, tudo dá.

A beleza sem par das tuas matas, povoadas por tantas espécies exóticas da fauna, da flora. Tantas que nós, teus filhos, nem as conhecemos todas.

Se nos encantamos com as riquezas naturais da Amazônia, também o fazemos com a diversidade do pantanal. E a imensidão dos pampas no sul, ao lado dos cálices das araucárias imponentes.

Emocionam-me as cascatas, tecendo melodias; os riachos murmurando os segredos das florestas; os rios correndo, ligeiros, rumo ao grande mar.

Estudando tua História, as vitórias conquistadas, o progresso alcançado, sei que triunfarás.

Desejaria que teus filhos todos te amassem e somente pensassem em te fazer crescer. Crescer nas questões morais, no intelecto, na cultura.

Lamento os que não te honram o solo, no trabalho honesto. Tão bom seria se todos utilizassem a bandeira da honra e do dever, tendo o Divino Pai na mente, o Cristo como seu modelo e guia e a caridade como seu propósito.

O tempo haverá de te fazer justiça, quando teus filhos se decidirem para seus altos deveres, se resolverem pelo esforço, pelo trabalho, pela educação.

Nesta hora de desconforto moral, oro por ti, que me viu nascer mais de uma vez, que acalentou meus sonhos, que me viu crescer.

Sei que choras, Brasil, a exaustão de um povo. Tão cansado quanto descrente de que haverá um retorno às fontes do bem.

Estertoras, meu país, ante tanta leviandade com que te dilapidam as riquezas e te destroem os valores.

Vejo-te, sofredor, e, no entanto, creio que haverás de te evidenciar no mundo. Não pelo ouro que ainda repousa em tuas entranhas, nem pelo petróleo que te percorre as artérias.

Não, eu te vejo grande ao mostrar ao mundo que um solo amado por seus filhos se revigora e vence os percalços que se apresentam.

Ainda tens muitos problemas a equacionar. Mas, o gigante se levanta, quando se agitam seus filhos e unem suas forças.

E vencerás a timidez dos bons, a corrupção e a violência dos que ainda estacionam na própria pequenez.

*   *   *

Eu te desejo imenso, Brasil, muito além das fronteiras físicas, cumprindo tua destinação de Celeiro do mundo, de Pátria do Evangelho.

Hás de vencer e mostrar ao mundo que quem vive sob o símbolo do cruzeiro não perde a fé, nem se acovarda na luta.

Brasil amado!

Recebe o preito de gratidão de quem te traz na alma agradecida.

Oro e vibro para que mostres ao mundo teu coração. Coração que pulsa, que acolhe, que ama.

Coração do Brasil. Coração do mundo.

Redação do Momento Espírita, com base em mensagens
dos Espíritos Maria Quitéria e Marina, recepcionadas no
Centro Espírita Ildefonso Correia, em 2.5.2016 e 26.6.2017.
Em 7.9.2018.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2018 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998