Momento Espírita
Curitiba, 17 de Outubro de 2018
busca   
no título  |  no texto   
ícone Detox para a alma

Alice foi a um especialista em nutrição. Realizou vários exames para averiguar como estavam os seus níveis de minerais, proteínas, hormônios, açúcares e outras substâncias no sangue.

Preocupava-se com a saúde e queria cuidar do corpo.

A nutróloga receitou, inicialmente, uma dieta detox, para eliminar toxinas.

A seguir, indicou outra dieta que consistia numa reeducação alimentar, priorizando a ingestão de alimentos naturais e orgânicos, retirando do cardápio o que seria prejudicial à saúde, como frituras, refrigerantes, doces, salgadinhos, alimentos processados, entre outros.

Ela começou a dieta desintoxicante empolgada. Sentiu o corpo reagir com mais disposição.

Depois, iniciou a reeducação alimentar, mas foi perdendo o ânimo ao longo das semanas, sentindo-se privada das coisas de que gostava de comer.

Foi ficando mal-humorada, irritadiça. Por fim, abandonou tudo, culpando o médico por não ter conseguido alcançar sua meta.

Em pouco tempo, estava novamente ingerindo os alimentos que não lhe faziam bem à saúde.

*   *   *

Da mesma forma que o nosso corpo, para estar bem, necessita de alimentos saudáveis, devemos agir de igual forma com a alimentação da alma.

Nossos pensamentos são nutridos pelo que vemos, ouvimos e sentimos.

Se apreciamos discussões e fofocas, alimentamos nossa alma com emoções e sentimentos tóxicos.

Se damos atenção a filmes violentos, notícias escandalosas, músicas cujas letras veiculam a vulgaridade, o preconceito, leituras que reforçam materialismo e desesperança, contaminamos nossos pensamentos.

Da mesma forma que é preciso fazer uma dieta detox seguida de uma reeducação alimentar para equilibrar o corpo, é necessário também um detox para a alma.

Como fazer isso?

Reduzindo cada vez mais a sintonia e a interação com o que é negativo, como discursos que estimulam revoltas, ódio, brigas, fofocas...

Olhando para dentro de nós, eliminando mágoas e ressentimentos arraigados.

Percebendo o quanto somos orgulhosos e egoístas no convívio com familiares, amigos, colegas de trabalho.

Da mesma forma que o corpo precisa de nutrição sadia para que suas funções sejam equilibradas, nossa alma precisa de pensamentos, emoções e sentimentos positivos para se manter em harmonia.

Diferentemente de Alice, que se deixou arrastar pelos hábitos antigos, precisamos perseverar para não voltar a agir, sentir e pensar como antes de iniciar a dieta.

Bebemos água fresca para limpar o organismo. Para limpar a alma é preciso beber na fonte mais poderosa do Universo: o amor.

Se nas dietas do corpo fazemos trocas para melhorar a saúde, façamos trocas também nessa reeducação do sentir.

Em vez de sentir raiva, olhemos o outro com compaixão, sem as toxinas do orgulho e do egoísmo. Nosso orgulho ferido nos faz ver as coisas de maneira distorcida.

Da mesma forma que lutamos para não ingerir guloseimas e gorduras, lutemos contra desejos de vingança, de rebater as ofensas e evitemos armazenar esses desejos em nós.

Não nos alimentando do que faz mal ao corpo e ao Espírito, teremos uma vida mais longa, saudável, equilibrada e feliz!

Redação do Momento Espírita.
Em 9.8.2018.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2018 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998