Momento Espírita
Curitiba, 25 de Junho de 2018
busca   
no título  |  no texto   
ícone Temor da morte

Determinada reportagem televisiva nos deu ciência de que, em enquete realizada junto a adolescentes de populosa capital do nosso país, 51% deles revelaram que seu maior temor é a morte.

Ao ouvirmos o resultado da pesquisa, de imediato nos pusemos a pensar acerca do quanto necessitam de orientação religiosa os nossos jovens.

Porque o que dá causa ao medo da morte é o receio da destruição total, decorrente da noção equivocada acerca da vida futura.

À proporção que o homem compreende melhor o que o espera para além da tumba, o temor da morte diminui. Arrefece, até desaparecer.

Ciente de que a vida terrena é transitória e de que o aguarda outra vida, vibrante, verdadeira, após o decesso físico, com tranquilidade enfrentará a morte.

A certeza da vida futura lhe dá outro curso às ideias. Outro objetivo ao trabalho.

Tudo o que oferece o mundo material é considerado como oportunidade de progresso, de experiência. As coisas materiais são bens de que deve se utilizar, com sabedoria, consciente de que não os levará consigo.

A certeza de que, após a morte, poderá reencontrar seus amigos, reatar relações que teve na Terra e de que o fruto do seu trabalho não se perde, confere ao ser humano calma para o momento da morte.

Afinal, ela não é uma megera que vem destruir a felicidade, ceifando a vida mais preciosa, o ser mais amado, numa sistemática de puro prazer.

É, sim, dentro da lei de destruição, lei instituída pela Divindade que opera com sabedoria a sua ação.

Reeducarmo-nos e educarmos os nossos filhos se faz urgente. Desde cedo, ensinar aos pequenos que a morte não existe, senão no tocante ao físico.

Que ninguém morre, senão na roupagem carnal. O Espírito imortal prossegue a viver, como antes de renascer, vivia na Espiritualidade e já enfrentou outras tantas vidas na carne.

Também preciso se faz que passemos a enfrentar a circunstância da morte de forma diversa.

Até os dias da atualidade, a passagem da Terra para a Espiritualidade é rodeada de cerimônias lúgubres, que verdadeiramente infundem terror.

Os emblemas da morte lembram somente a destruição do corpo, mostrando-o descarnado.

A partida dos seres para o outro mundo se faz acompanhar de lamentos dos sobreviventes, como se morrer fosse uma desgraça.

As despedidas são de adeuses eternos.

É necessário mudar toda essa panorâmica.

Em vez de recordar a destruição do corpo, mostrar a alma se desembaraçando, radiosa, dos grilhões terrestres.

No lugar das lamentações e dos adeuses, a saudação de quem sabe que logo mais também realizará a grande viagem.

E, por isso, simplesmente diz: Até breve. Até logo!

Sem dúvida, muito tempo será preciso para o homem se desfazer desses preconceitos acerca da morte.

No entanto, há que se começar a educação, pois que à medida que se conceber uma ideia mais sensata da vida espiritual, desaparecerão os temores.

 Você sabia?

 Você sabia que os homens verdadeiramente sábios não temem a morte?

Fartos exemplos encontramos em Gandhi, que se deixou imolar em nome da não violência.

De Francisco de Assis que afirmou continuar a trabalhar em seu jardim, mesmo se soubesse que algumas horas após morreria.

O maior exemplo foi o Cristo que nos ensinou a morrer com dignidade. Na hora final, suas palavras foram: Pai, em tuas mãos, entrego o meu Espírito.

Redação do Momento Espírita, com base no  cap. 2,
pt. 2,  do livro
O céu e o inferno, de Allan Kardec,
ed. FEB.
Em 8.1.2018.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2018 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998