Momento Espírita
Curitiba, 17 de Dezembro de 2017
busca   
no título  |  no texto   
ícone Por que matar seu filho?

Os três funcionários daquela seção eram bons amigos.

A senhora que ocupava o cargo de chefia era uma espécie de mãe para aqueles dois rapazes.

O horário de expediente não era próprio para intensificar a amizade. Por essa razão Ronaldo, casado, convidou o amigo para visitar sua casa.

Raul, o jovem solteiro, passou a frequentar o lar do colega e os laços do afeto se estreitaram também com sua jovem esposa.

Passado algum tempo, o casal comemorava o nascimento da primeira filha, Ana Cláudia.

O tempo passou. Certo dia, Ronaldo chegou ao trabalho meio cabisbaixo, o que não passou despercebido ao amigo, sempre atencioso e sensível.

O que está acontecendo? Perguntou.

Ronaldo disse-lhe que algo o estava preocupando muito e convidou Raul para tomar o cafezinho habitual, alguns minutos antes. Precisava desabafar.

Mal se sentaram à mesa e Ronaldo foi falando: Sabe que minha esposa está grávida outra vez?

E, rápido, completou, aborrecido: Eu não vou aceitar esse filho. Já marcamos o aborto para amanhã cedo. Vamos tirar a criança.

Raul sentiu como se o chão lhe faltasse sob os pés. Como cristão, não conseguia entender como um pai e uma mãe têm coragem de cometer um crime desses.

Ronaldo continuou: Não dá para aceitar um filho logo em seguida do outro. Nossa menina está com apenas dez meses...

Raul agora entendera melhor as razões do amigo e perguntou, com sincera vontade de obter uma resposta séria: Mas, por que você deseja matar seu filho?

A pergunta caiu como uma bomba no coração de Ronaldo. Ele pensara em abortamento, não no que ele representa: um homicídio.

Raul ainda lhe fez mais uma pergunta: E se sua filha vier a morrer, como ficarão as coisas?

Ronaldo ficou desconcertado, abaixou a cabeça, terminou de tomar seu café e voltaram, ambos, para o trabalho.

Naquela noite, Raul rogou com fervor a Deus para que salvasse aquela criança.

No dia imediato, embora ansioso, não teve coragem para perguntar nada. Temia a resposta.

Porém, Ronaldo tomou a iniciativa: Minha esposa e eu não conseguimos dormir esta noite...

O coração do amigo bateu acelerado...

Logo, Ronaldo concluiu: Resolvemos deixar que venha mais um...

Raul explodiu em lágrimas de profunda alegria. Meses depois estava na festa de um ano de Ana Paula, a segunda filha do casal, contemplando, feliz, o paizão exibindo as duas meninas, uma em cada braço.

O tempo passou. Então, retornando de breve viagem, Raul não encontrou o amigo na repartição, e quis saber o que havia acontecido.

A chefe lhe falou: Então, você ainda não sabe?

Não, me diga o que houve. E a notícia o abalou ao ouvir a resposta: A filha mais velha do Ronaldo morreu.

Raul dirigiu-se imediatamente para o lar dos amigos.

Ronaldo chorando, discretamente, com a segunda filha adormecida em seu colo, disse com profunda dor ao amigo:

Quero lhe agradecer por ter salvado minha vida. Se você não tivesse evitado que eu matasse Ana Paula, a essa hora eu já teria matado a mim, movido pelo remorso e pelo desespero.

Ambos se abraçaram e choraram juntos por algum tempo. Entretanto, Raul não esqueceu de agradecer a Deus por ter atendido as suas preces, poupando a vida daquela criança, que agora dormia, serena, no colo do pai, que um dia havia pensado em matá-la, no ventre da mãe.

Redação do Momento Espírita, com base em fato narrado
por Raul Teixeira em palestra na
Comunhão Espírita Cristã
de Curitiba – PR, em 11.4.2002.
Em 29.11.2017.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2017 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998