Momento Espírita
Curitiba, 22 de Junho de 2017
busca   
no título  |  no texto   
ícone Amar a quem?

Dia desses surpreendemos duas senhoras a conversar. E seu diálogo nos atraiu verdadeiramente a atenção.

Indagava uma à outra porque ela se envolvia tanto com campanhas para as crianças carentes assistidas por uma determinada entidade filantrópica.

Ora, respondeu a outra, porque disponho de tempo, porque as crianças precisam. Porque gosto de me envolver com tarefa assistencial.

Mas, continuou a primeira, essa instituição não é da nossa religião.

A resposta da dama que se dedicava de corpo e alma ao trabalho de assistência foi rápida: Mas são nossos irmãos.

A primeira ainda prosseguiu com sua argumentação, enquanto nos afastávamos do local a pensar.

*   *   *

O Mestre Nazareno, durante Sua estada entre os homens, teve oportunidade, por mais de uma vez, de demonstrar que não importava a nacionalidade, a doutrina política, a crença religiosa, o cargo, a cor da pele.

Por isso mesmo tomou o samaritano como exemplo do homem bom que atende o caído na estrada, sem nada lhe indagar.

Falou à samaritana, no poço de Jacó, identificando-se como o Messias, o Aguardado. E a convidou à mudança de rumo, transformando-a numa disseminadora das luzes da Boa Nova.

Falando a respeito do centurião a quem curou o servo à distância, comentou: Jamais vi tamanha fé em Israel!

Convidou Mateus, um coletor de impostos, para ser um dos Seus Apóstolos. Visitou o publicano Zaqueu, em sua casa. Socorreu a equivocada de Magdala, amparou a mulher adúltera.

Jesus viajou pelas terras da Judeia, da Galileia, da Samaria. E afirmou: Nenhuma das ovelhas que o pai me confiou se perderá.

Como podemos agir de forma diversa, estabelecendo limites no auxílio, condicionados à crença religiosa?

Então não somos todos filhos do mesmo Pai? Ele não nos criou crentes dessa ou daquela doutrina. Criou-nos Seus filhos.

Todos partidos do mesmo ponto, da simplicidade e da ignorância, e com idêntico objetivo: a perfeição.

Não nos armemos uns contra os outros, mas nos amemos.

Façamos o bem a quem esteja próximo, sem distinção alguma.

E, se pudermos, estendamos a nossa ação a quem esteja distante, mesmo que não pertença à nossa raça, que tenha nascido em outro país, que habite outros Estados.

Meditemos que, quando as rogativas sinceras chegam ao bondoso Pai, Ele não pergunta como cremos, onde estamos.

Conforme nos ensinou Jesus, tudo o que pedirmos a Ele em Seu nome, nos será concedido.

Da mesma forma que recebemos tantas bênçãos do Criador, saibamos distribuir igualmente a todos.

Mesmo porque as questões de cor, nacionalidade, credo político ou religioso são questões transitórias, que duram uma vida rápida, passageira, considerando-se o Espírito Imortal.

*   *   *

O bem é tudo o que estimula a vida, produz para a vida, respeita e dá dignidade à vida.

Quando não pudermos fazer o bem, pensemos nele.

Valorizemos o bem que possamos fazer e o façamos tanto quanto nos permitam as forças e as circunstâncias, onde estivermos.

Redação do Momento Espírita.
Em 13.6.2017.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2017 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998