Momento Espírita
Curitiba, 22 de Setembro de 2017
busca   
no título  |  no texto   
ícone A sabedoria da escolha

Conta-nos o Evangelista Lucas que, certa feita, Jesus se hospedou na casa de duas irmãs, Marta e Maria.

Marta logo se envolveu nos afazeres domésticos, no preparo do alimento e detalhes para a hospedagem.

Porém, sua irmã Maria teve uma postura diferente.

Frente ao diálogo que Jesus entretinha, sentou-se aos Seus pés, bebendo, encantada, as palavras de sabedoria, que lhe caíam n´alma.

Marta, vendo a cena, impacientou-se com ela, que não se dispunha a ajudá-la. E havia tanto a fazer!

Então, aproximou-se do Mestre e lhe lançou a pergunta:

Senhor, não te incomodas que minha irmã não venha me auxiliar nos afazeres domésticos?

Ela esperava, com certeza, que Maria fosse repreendida e lhe dito pelo Mestre que a fosse ajudar.

No entanto, Jesus, sempre pronto a ensinar, servindo-se de toda e qualquer oportunidade, respondeu:

Marta, tu te inquietas e te agitas a respeito de muitas coisas. No entanto, uma somente é imprescindível. Maria escolheu a boa parte, aquela que não lhe será tirada.

*   *   *

Para os que vivemos a praticidade das coisas do mundo, a fala de Jesus nos parece incoerente. Afinal, Marta estava preocupada com a recepção e acomodação de Jesus e daqueles que O acompanhavam.

Contudo, Ele se serve do momento para lecionar de que existem muitas coisas que podem parecer necessárias, mas que é preciso ter a sabedoria da melhor opção.

Conforme as palavras dEle, aquela que não nos será tirada, porque alimenta a alma imortal.

Reflexionemos a respeito do nosso cotidiano. Temos convites diversos, possibilidades inúmeras, muitas tarefas para darmos conta.

São os compromissos sociais, os familiares, profissionais, religiosos.

Poucos podem dizer que sua agenda está tranquila, ou que quase nada têm a fazer na vida.

Lembrando o ensinamento do Cristo, é necessário que façamos a melhor escolha, que optemos pela melhor parte.

Alguns escolhemos trabalhar horas infindáveis em vez de passar mais tempo com os filhos, os pais, o cônjuge.

Outros, optamos pelos compromissos sociais, as festas e eventos quando poderíamos estar com nossos amores.

Tantos de nós deixamos de lado as horas de estudo, de investimento intelectual, de leitura edificante para o lazer em excesso, a diversão exagerada e desmedida.

Nas nossas escolhas, importante avaliar o que nos restará ao longo da caminhada.

Nas opções que fazemos, pesemos sempre o que ficará conosco, ao final.

Por mais que os anos dobrem, o investimento nas relações afetivas não nos poderá ser retirado. São tesouros que não se veem, somente se vivem, se sentem.

O tempo que investirmos em nosso progresso intelectual, será tesouro que pessoa alguma poderá nos subtrair.

Todo o tempo que aplicarmos no bem ao próximo, no fomentar virtudes em nossa intimidade, dará frutos que permanecerão para sempre em nosso coração.

Assim, antes de investirmos todo nosso tempo nas coisas passageiras, seja no amealhar do dinheiro que se vai, na diversão que se acaba ou no brilho da fama que logo se apaga, reflitamos.

Conforme a exortação de Jesus, nosso tempo poderá ser empregado naquilo que não nos será tirado.

Pensemos nisso. Dividamos as horas, os dias, de forma a que nada pereça. Mas invistamos mais nos tesouros da alma, que nos acompanharão para sempre.

Redação do Momento Espírita, com
base no Evangelho de Lucas, cap. 10,
versículos 38 a 42.
Em 10.6.2017.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2017 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998