Momento Espírita
Curitiba, 05 de Março de 2021
busca   
no título  |  no texto   
ícone Quem foi?

Neste imenso mundo em que vivemos, muito ainda temos a descobrir das suas riquezas e belezas.

E, a cada dia, nos surpreendemos com as maravilhas que desconhecíamos.

Em 2015, Yoji Ookata, um fotógrafo japonês, mergulhando em Amami Oshima, ilha cercada pelo mar da China Oriental e o Oceano Pacífico, fez alguns registros fotográficos que o deixaram atônito.

Era algo fora do esperado. Eram ondulações em forma geométrica com quase sete metros de diâmetro, a cerca de vinte e quatro metros abaixo do nível do mar.

Ao serem mostradas as fotos, as hipóteses surgiram, de forma rápida, tentando explicar quem seria o autor do tal círculo do mistério, como logo foi denominado.

Não faltou quem pensasse em arte alienígena, em produto de antigos egípcios etc.

A equipe da TV japonesa NHK foi chamada ao local, para uma documentação detalhada.

Qual não foi a surpresa ao descobrirem, durante a filmagem, que o extraordinário artista é um pequeno baiacu.

O minúsculo peixe, usando suas barbatanas, percorre a areia em um padrão cruzado e de forma rotativa para criar uma estrutura radialmente simétrica, com cerca de seis metros e meio de diâmetro.

A arte consiste de diversas arestas idênticas que se projetam de forma regular a partir do centro.

A perfeição é inacreditável e parece mesmo ter sido esculpida por um artista equipado com diversos tipos de ferramentas.

O peixinho ainda cata pequenas conchas para enfeitar o trabalho.

A impressão que se tem é que o baiacu tem o desenho delineado em sua cabeça e o vai executando, com precisão.

Na época da reprodução, o macho trabalha noite e dia, durante uma semana, nessa escultura, que objetiva atrair a fêmea.

Os sulcos na areia funcionam como um caminho para o centro do círculo, pois o fundo do mar é escuro.

Os biólogos acreditam que o centro desse ninho é um local pouco afetado pelas correntes, devido às arestas que desviam o fluxo d’água.

Isso protege os ovos e evita que sejam espalhados, ou fiquem vulneráveis aos predadores. Um verdadeiro e seguro lar.

As pequenas conchas, esteticamente dispostas, funcionam ainda como fontes de nutrientes para os filhotes, os alevinos, assim que saem do ovo.

*   *   *

O sentimento do belo não é exclusividade da espécie humana.

Sabemos que as aves fêmeas são atraídas pela beleza da plumagem dos machos, tanto quanto por seu canto melodioso.

No entanto, ante a beleza que se descobre, produto de um pequeno ser, como o baiacu, ou dos ninhos, elaborados de forma artística, é de nos perguntarmos: Quem ensinou tudo isso a esses animais?

Se admiramos a beleza de um quadro de Caravaggio, a perfeição numa escultura de Michelangelo, a criatividade de um Leonardo da Vinci, como conceber que ditos irracionais tenham sentimento estético tão apurado, perfeição geométrica e produzam belezas que nos maravilham?

Sim, como o poeta, devemos entender que as ondas do mar murmuram e os ventos captam a resposta: Foi Deus, foi Deus, foi Deus...

Redação do Momento Espírita, com
base  em documentário televisivo.
Disponível no CD Momento Espírita, v. 32, ed. FEP.
Em 26.3.2018.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2021 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998