Momento Espírita
Curitiba, 07 de Julho de 2020
busca   
no título  |  no texto   
ícone Perdendo o brilho

Era uma vez uma navalha de excelente qualidade, que morava numa barbearia.

Certo dia em que a loja estava vazia, ela resolveu dar uma voltinha. Soltou-se do cabo e saiu para apreciar o lindo dia de primavera.

Quando a navalha viu o reflexo do sol em si mesma, ficou surpresa e encantada.

A lâmina de aço lançava uma luz tão brilhante que, subitamente, com excessivo orgulho, ela decidiu:

“Eu não vou voltar para aquela loja de onde acabei de fugir. É claro que não! Deus não pode querer que uma beleza tal como a minha seja desonrada dessa maneira.

Seria loucura ficar aqui cortando as barbas ensaboadas daqueles camponeses, repetindo sem cessar a mesma tarefa mecânica!

Será que minha beleza foi realmente feita para um trabalho desses? Certamente não! Vou me esconder num local secreto e passar o resto da vida em paz.”

Em seguida foi procurar um esconderijo onde ninguém a visse.

Passaram-se meses. Um dia, a navalha teve vontade de respirar ar fresco. Saiu cautelosamente de seu refúgio e olhou para si mesma.

Deu-se conta de que algo terrível lhe acontecera. A lâmina estava horrorosa, parecendo uma serra enferrujada, e não refletia mais a luz do sol.

Ficou muito arrependida pelo que havia feito, e lamentou amargamente a irreparável perda.

“Como teria sido melhor se eu tivesse conservado em forma a minha linda lâmina, cortando barbas ensaboadas! Minha superfície teria permanecido brilhante e minha borda afiada!

Agora, aqui estou eu, toda corroída e coberta de uma horrível ferrugem! E não há nada a fazer!”

*   *   *

O triste fim da navalha é o mesmo que nos pode suceder quando nos permitimos a preguiça, quando deixamos de utilizar nossos talentos.

Talento não utilizado se embrutece, se perde.

Admiramos os bailarinos, em suas performances impecáveis. No entanto, não podem se permitir o abandono dos treinos diários, dos exercícios continuados.

De igual forma, os acrobatas, os ginastas.

Se relaxarem, logo perderão a elasticidade dos músculos, a plasticidade dos movimentos.

Assim também quem escreve, se deixa de fazê-lo, perde a leveza da forma, a possibilidade mágica de juntar letras e criar poesia, compor romances.

Se desatendemos do estudo, nossa capacidade de raciocínio declina.

Isso quer dizer que quanto mais lemos, pesquisamos, mais aprimoramos nossa mente, agilizamos nossos pensamentos.

O sábio homem de Nazaré lecionou, na parábola dos talentos essa profunda lição, narrando a diferença entre aqueles que utilizaram seus talentos e os multiplicaram e o que optou por enterrar o seu, vindo a perdê-lo.

Por isso é que, por vezes, desacostumados a ler, a estudar, vamos registrando deficiência gradual da memória, como se nossa capacidade fosse enferrujando.

É assim que o trabalho, essa ocupação útil, faz tanto bem ao corpo e à alma.

Na forja da atividade física ou intelectual, aprimoramos corpo e mente, ampliamos possibilidades, crescemos em capacidades.

Dessa forma, o convite se faz para a leitura, o estudo, a pesquisa, a atividade física, como meios de nos mantermos saudáveis, de corpo e alma.

Redação do Momento Espírita, com base no cap.
 
A navalha, do livro Fábulas e lendas, de Leonardo
 da Vinci, ed. Salamandra.
Em 13.7.2016.

 

Escute o áudio deste texto

© Copyright - Momento Espírita - 2020 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998