Momento Espírita
Curitiba, 22 de Maio de 2018
busca   
no título  |  no texto   
ícone A dimensão do amor

Quando nos enamoramos, o mundo toma as tonalidades da nossa emoção.

O céu é mais azul, as flores são mais viçosas, o coração anda atropelado no peito à simples lembrança da figura amada.

É comum que os primeiros anos do casamento sejam coroados de gentilezas e comemorações.

Algo assim como a natural continuidade da doce fase do namoro.

É também bastante comum que, à medida que os anos se somem, arrefeçam os arroubos espontâneos do afeto, escasseiem os telefonemas, a oferta de flores.

É como se tudo fosse tomando ares de rotina.

Foi por isso que o oncologista, ao receber aquele casal em seu consultório, admirou-se com a postura do marido.

Era um comerciante de meia idade, ereto, recordando a formação militar.

A esposa era portadora de um câncer raro, terrível.

Concluída a consulta, o marido a acompanhou até a sala de espera e retornou para falar a sós com o médico.

Doutor, quando conheci minha esposa, há quarenta anos, e nos casamos, não tínhamos nada. Nem eu, nem ela.

A pobreza era nossa hóspede. Juntos, trabalhamos e amealhamos fortuna.

Temos muitas posses, conquistadas ao longo dos anos. Tudo é nosso. Somos sócios.

O que quero lhe dizer é que se for preciso gastar todos os nossos bens, não teremos perdido nada. Simplesmente teremos voltado à condição inicial.

Quero que o senhor se preocupe com o melhor tratamento existente em nosso país e no Exterior.

Dinheiro é problema meu. Estamos entendidos?

E assim foi. Ele jamais reclamou de gasto algum. Por duas vezes a levou a uma clínica nos Estados Unidos.

Dois anos depois, ela morreria.

Mais tarde, ele falaria ao médico do quanto amava aquela mulher.

Ele a conhecera em um baile militar e a convidara para dançar. Quando a abraçou para a dança, ficou trêmulo e pensou:

Desejo passar o resto da vida abraçado com essa moça.

Três meses depois se casaram. Ele fez um pedido formal mais ou menos nos seguintes termos:

Quero pedir você em casamento para sermos felizes. Prometo que nunca haveremos de brigar por tolices, como o tubo de pasta de dentes.

Muito menos por ciúmes descabidos. Pretendo ser seu companheiro pelo resto da vida, sentar na sala com você à noite.

Escutar a música que ambos apreciamos e me sentir em paz com a mulher que mais desejo, no melhor lugar do mundo, nosso lar.

Ele cumpriu a promessa, até a última palavra.

*   *   *

O amor tem a dimensão que você lhe dá. Torná-lo grandioso, altruísta, é de sua livre escolha.

Fazer da vida a dois uma sucessão de momentos de felicidade, também.

Pense nisso e não deixe passar a excelente oportunidade de ser feliz, o quanto possa, até que possa.

 

Redação do Momento Espírita, com base no cap. Palavras, do
livro
Por um fio, de Drauzio Varella, ed. Companhia das letras.
Em 26.1.2013.

© Copyright - Momento Espírita - 2018 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998