Momento Espírita
Curitiba, 21 de Abril de 2021
busca   
no título  |  no texto   
ícone Pecado original

A humanidade é essencialmente díspar em suas características.

Cada criatura possui facilidades e dificuldades que lhe são inerentes.

A educação e o meio ambiente exercem influência no comportamento humano.

Mas certas tendências são inexplicáveis, no contexto de uma única existência.

Dentro do mesmo núcleo familiar, há marcantes diferenças de moralidade e equilíbrio entre irmãos.

Algumas crianças, desde a mais tenra idade, demonstram boa índole.

Equilibradas e serenas, aceitam com tranqüilidade a disciplina e a orientação dos pais. Já outras trazem a marca da rebeldia.

Instáveis e difíceis, por vezes até cruéis, constituem um desafio para a paciência dos familiares.

A realidade é que os espíritos encarnam infinitas vezes, em seu caminhar para a perfeição.

Cada qual é herdeiro de si próprio.

Ao reencarnar, o espírito traz consigo o que adquiriu em suas precedentes existências.

Essa é a razão pela qual os homens mostram pendores bons ou maus, que neles parecem inatos.

Virtudes e vícios não são obras do acaso.

Eles constituem o resultado de opções feitas no passado.

Quem se esforçou para burilar o próprio intelecto, hoje possui avantajada inteligência.

Aquele que gastou tempo aprimorando a sensibilidade artística dispõe atualmente de facilidade no campo das artes.

Já a criatura que se permitiu malbaratar os tesouros da vida ressente-se de sua falta.

O ser que elegeu o vício no passado tem-no presente em seu íntimo.

Os maus pendores naturais são resquícios de imperfeições das quais o espírito ainda não se despojou.

Eis o verdadeiro pecado original.

As leis humanas, embora ainda falíveis e injustas, repelem a idéia de penalizar um homem pelo que outro fez.

Como Deus é soberanamente justo e bom, é incoerente imaginar que ele responsabilize uns pelas faltas de outros.

Cada qual se debate com a herança que providenciou para si.

Luz ou sombra, facilidades ou dificuldades, o que hoje se vive é resultado do que se fez no pretérito.

Não adianta culpar ninguém pelas dificuldades atuais.

Em geral, a recordação das vidas passadas não é possível ou desejável. Mas as tendências atuais evidenciam os pontos carentes de correção, na economia da alma.

O ontem é passado e não pode ser modificado. Mas hoje estão sendo lançadas as bases do futuro.

Este é o momento de refletir maduramente sobre o amanhã que virá, e adotar medidas para que ele seja luminoso.

Ninguém fará o trabalho que lhe compete.

A nobreza de caráter, a inteligência, a pureza, nada disso pode ser improvisado.

Se você deseja ser pacífico e bondoso, precisa criar o hábito de ser assim.

Diariamente você é confrontado com situações que exigem um posicionamento.

Compete exclusivamente a você optar por ser digno ou indigno, corajoso ou covarde, generoso ou mesquinho.

Mas saiba que está diariamente lançando as sementes de seu futuro.

Pense nisso.

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base no capítulo I do livro O Espiritismo na sua expressão mais simples e outros opúsculos de Kardec, ed. FEB.

© Copyright - Momento Espírita - 2021 - Todos os direitos reservados - No ar desde 28/03/1998